Encerramento de Escolas com menos de 21 alunos

É «uma estupidez» a decisão do Ministério da Educação (ME) de encerrar todas as escolas EB1 do país com menos de 21 alunos, condeno a postura da tutela de propor a redução do número de professores (de dois para um) nas escolas, nestas condições, que se mantiverem abertas no próximo ano lectivo.

Isso é o mesmo que condenar a escola a não funcionar, o ME tem de respeitar as atitudes e a vontade dos pais e dos autarcas das respectivas freguesias, e dar às escolas o direito de recuperarem mais alunos no futuro.
O que estão a fazer é a deslocar a discussão para coisas que não têm nada a ver com o assunto essencial, que é dar condições de aprendizagem às crianças. Na nossa freguesia são duas as escolas nestas condições o JI da Ramalheira e a EB1 de Perucha.
A população da Freixianda e o Presidente da Junta, mesmo antes desta decisão da tutela, devem desenvolver esforços para que, no próximo ano lectivo o encerramento não aconteça, devem manterem-se as escolas abertas, não fazendo chantagem, não tirando um professor, porque sem professores as escolas não funcionam.
via "Publique a sua notícia"

11 comentários:

João Filipe Oliveira disse...

Um anónimo que tem opinião sobre encerramento de escolas, sobre o papel das autarquias no assunto, sobre a importância do que pensam os pais?

Eu preferia que não fosse anónimo, para saber quem se preocupa com o assunto. E anónimo porquê? Porque tem medo de se associar frontalmente à rejeição destas políticas de Sócrates e do novo socialismo? Eu já dei a minha opinião, publicada em papel e na net.

Enfim, mesmo anónimo, bem-vindo ao grupo dos que se preocupam com o rumo que o nosso país está a tomar, em matéria de educação e outras, com o governo que, contra a nossa vontade e contra todas as evidências, nos quer obrigar a aceitar o eles acham que é melhor para nós.

Tomo ainda a liberdade de sugerir ao anónimo que fique atento também às notícias de extinção de Agrupamentos de Escolas. No nosso concelho ainda não se ouve falar no assunto de forma concreta, há apenas a deliberação claríssima do Conselho de Ministros para aplicar a todo o país. Por aí já vemos o que podemos aguardar. Noutros concelhos parece que até já há polémica em relação aos agrupamentos que são forçados a fechar e aos que passam a ser os grandes centros de decisão à distância.

Freixianda.Blog disse...

Caro leitor João Filipe,

"Anónimo" talvez não tenha sido a melhor identificação atribuida pelo Freixianda.Blog a quem pretende lançar para o ar um assunto de extrema importância, não pretendendo propriamente o anonimato, mas pura e simplesmente não quer ser "apontado".
Pedimos desculpa e mantemos assim o artigo "sem autor" pois acima de tudo cumprimos o que é permitido ao colaboradores no formulário "Publique a sua notícia", ou seja, o anonimato.
Caro João, agradecemos muito a sua colaboração e participação.
Ao autor pedimos desculpa.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Bom apesar de achar que o fecho de escolas é mau para o desenvolvimento da população, penso que os fins justificam os meios, isto claro se notar-mos, como diz o governo, numa melhoria substantiva da aprendizagem dos nossos alunos, se o fecho destas escolas se transformar em mais condições, melhores e mais professores nas escolas que vão receber estas crianças não vejo porque não seguir com esta medida. Passando agora aqui para a nossa freguesia e ao analisar as escolas que iram ser encerradas no próximo ano, acho que não será assim tão grave isto se quem de direito garantir os transportes as crianças que se irão ter de se deslocar. A distancia quer da Ramalheira, quer da Perucha à Freixianda não é assim tanto e penso que no nosso caso será uma medida que mais tarde ou mais cedo iria ser tomada com a construção das "futuras" instalações e o continuo decrescente de crianças a frequentar as referidas escolas...

João Filipe Oliveira disse...

1. É verdade que as distâncias na Freixianda não são muito significativas;
2. É mentira que os alunos estejam a ser deslocados para escolas melhores;
3. Estão garantidos, ao que parece, os transportes, mas isso, por si só, não é vantagem nenhuma;
4. Não estão previstos mais professores, é o contrário: o que vai ser é o mesmo número de alunos distribuídos por menor número de professores.
5. É claro que com a construção das "futuras" instalações isto ia acontecer, mas sem isso não se vê nenhuma vantagem. Aqui o carro vai claramente à frente dos bois.
6. O normal e o lógico era prepararem melhores condições e depois disso desactivar as escolas que não se justificassem. Já agora, alguém sabe para quando é fica a construção das "futuras" instalações? Será como a Zona Industrial prometida há uma dúzia de anos? As pessoas deixam-se enganar muito facilmente com as promessas.

Ricardo Almeida disse...

Caro professor João Filipe,

Não pense que é implicância, ou coisa parecida, eu já tive oportunidade para dizer o quanto o aprecio, mas pergunto eu, será que só tem opinião quando o assunto é o ensino?

O que é que acha dos bombeiros? e do GDF? Festas da Vila?

Nós não somos só a nossa profissão, se não quer saber de mais nada então eu também não quero saber da educação.

Sempre com a devida consideração
o seu ex aluno

Ricardo

Anónimo disse...

Bom, então seguindo ali a opinião do sr. João Filipe devemos estar cheios de dinheiro, porque vamos investir nas escolas que temos para que daqui a uns "dias" as fecharmos... tá certo é este o pensamento que todos devemos ter... realmente as moscas vão precisar de boas instalações!!! Enfim... estou certo que as futuras instalações não serão mais uma zona industrial, que serão antes uma realidade que acho que este novo executivo deve agarrar, até porque vai ter apoios que não somente da CMO, e ao ter esses apoios financeiros tem certamente prazo estabelecido de construção e abertura ao público...

João Filipe Oliveira disse...

O anónimo se calhar entendeu-me mal, ou eu percebi mal o que ele quis dizer. Há uma escola nova prometida para a Freixianda, com melhores condições, e que servirá para reunir os alunos. Mas como a promessa já é de há uns 3 anos e como ainda não há data para as obras começarem, eu desconfio que tardará MUITO a sair do papel. Também não acho que se deve fazer obras nas escolas que temos quando o projecto é fechá-las, mas isso nunca esteve aqui em causa. O que está em causa é que dizem que fecham as escolas actuais e deslocam as crianças para melhores condições, mas isso não é verdade.

Ao Ricardo, quero responder que trabalho na escola da Freixianda mas não vivo na zona da Freixianda. Por isso não é fácil acompanhar de forma tão próxima outros assuntos diferentes da educação. Digamos que é uma espécie de "especialização". Dos bombeiros, por exemplo, ainda estive nos órgãos da liga, na Assembleia Geral, e deu para acompanhar e dar um modesto contributo. Mas as circunstâncias de vida não tornam fácil continuar. Certamente que o Ricardo também não se envolve muito, por exemplo, na Associação de Formigais, ou da Sandoeira, por exemplo... Compreende-se, não vive lá. Agora, Ricardo, tenho de dizer que teu o argumento é um bocado frágil. Será que por não comentar outros assuntos, devo abster-me de dar opinião sobre educação?

porta de trás da norte Freixianda disse...

Estou de acordo consigo prof.João
por não ter opinião soube outros temas, ninguem lhe tira o direito de falar sobre aqueles que conhece,a educação.

Mas como foi candidato á junta de freguesia da Freixianda(e camara de Ourem )confesso que fico feliz de não ter sido eleito.Alguem que tudo desconhece e de nada tem opinião mostra alguma falta de preparação para o cargo.

Voltando ao post inicial e tendo em conta que a Freixianda é uma freguesia com uma area consideravel
sou a favor de, a bem da educação e do bem estar das crianças que se mantenham as escolas como estão, e se evite horas perdidas em transportes e até mesmo porque a centralização de todas as escolas contribui para enfraquecer e empobrecer lugares como s.jorge e ramalheira,cada vez mais afastados e esquecidos.

Anónimo disse...

Não estamos aqui a falar de excelentes condições... quero com isto dizer que estamos a falar de condições equivalentes, o que no nosso caso é mais que visível, não existe assim uma disparidade entre a escola que fecha e a que recebe! e na minha opinião será sem dúvida melhor para os alunos terem um ou mais professores só preocupados com o seu ano lectivo e não um prof. preocupado com 4 anos com programas e níveis diferentes, para mim, isto já é melhor ensino!
No final do mandato do executivo anterior sei que estava tudo encaminhado, ou seja, o projecto tinha sido aceite e penso que não iremos novamente a eleições sem vermos esta nova escola erguida e a funcionar!!! também se assim não for, mal será... embora esta não fosse uma prioridade deste novo executivo!!!
Se até aceito que a escola da Ramalheira e da Perucha feche, não tenho a mesma opinião sobre S. Jorge, acho que a distancia para as crianças é demasiado grande e acredito que ali uma escola primária e um jardim de infancia fazem sem dúvida falta, pois não concordo que a Ramalheira esteja assim tão distante...

João Filipe Oliveira disse...

Mas a questão não é saber se o transtorno causado pelo fecho da escola da Perucha é maior ou menor. Para mim, a questão principal é dizerem que a escola fecha e as crianças serem deslocadas para condições melhores, o que não é verdade. Qualquer pessoa está no direito de acreditar que a construção do novo centro escolar está ali mesmo ao virar da esquina. Mas eu não acredito. É claro que a Câmara PSD tinha tudo bem encaminhado, que é como quem diz, tinha a ideia e um esquema que iria dar origem ao projecto. Alguém viu o projecto, mesmo, mesmo? Quando vieram os senhores autarcas trazer a boa-nova, se não me engano, mostraram o projecto que iria ser construído em Fátima e disseram que o da Freixianda ia ser parecido. Também disseram que já tinham assegurado a parte do financiamento europeu. Mas e o resto? A verba para começar a obra já está inscrita no Orçamento da Câmara para este ano? E vai estar para o próximo? É que há outras prioridades no concelho.

E o que será pior? Ter um professor a ensinar 12 alunos (dos 4 níveis) ou ter 1 professor por cada nível, colocando 21 alunos em cada turma? Quais são os alunos que conseguem mais apoio do professor? Mais alunos por professor é melhor ensino?

Por mim, seria um progresso para a Freixianda substituir as escolas que se fecham por outras com melhores condições. Agora, fechar só por fechar, acho mal.

Enfim, deixem ir fechando a freguesia aos poucos, atidos às promessas do que vão fazer a seguir, e um dia destes não vai restar grande coisa para fechar.

João Filipe Oliveira disse...

Para a porta de trás da norte, é claro que não é a única a ficar feliz por eu não ter sido eleito: há milhares de eleitores nas mesmas circunstâncias. É a democracia a funcionar (e bem!), o que é uma coisa boa.

Mas não seja injusta a dizer que sou alguém que tudo desconhece e de nada tem opinião. Em geral as pessoas queixam-se de eu ter sempre opinião. E também não me sinto uma pessoa que tudo desconhece, vá lá, reconheça que não é bem assim... ;-)

No fundo, até acho que é excesso de consideração por mim, pensar que eu tenho super-poderes e capacidade para saber de todos e de tudo. Sei mais de algumas coisas, de outras não sei.